travel

Por Elvas a explorar

Nesta altura do ano só pensamos em descansar um pouco dos nossos trabalhos e da rotina.

E porque não irmos até ao Alentejo e explorar  um pouco, mudar de ares evitar a típica ida a praia.  Sugiro explorarem o Alentejo  têm tanto para descobrir desde dos montes, muita paz e sim ver as estrelas a noite e ouvir os passarinhos. Coisas simples que nós faz recuperar energias.  Andei pelas ruas de Elvas a procura de alguns locais para fazer umas fotos e de repente ouvia-se um som ao longe, claro fui a procura de onde vinha esse som.  Levou me ao castelo e numa das casas perto do castelo, vi um artesão a moldar o barro e a criar lindos objectos desde das Roncas, aos lindos pratos de barro pintados a mão.

Deixo duas imagens de casas pintadas de cal, onde numa vê se uma corda de roupa, coisa que em muitas cidades não se vê. E na segunda uma simples parede branca onde o ser humano usou imaginação e fez um canteiro  horizontal suspenso.

Elvas  House with clothes
wall  bottles  with flowers

Stopping at Piccadilly Circus

The London underground may be famous for its Mind The Gap warning, but some of the stations are full of history on their own. Enter the dark blue Piccadilly Line, running for over 100 years and reaching peaks of over 210 million passenger journeys yearly. The Piccadilly Circus stop gets its name after Piccadilly, the street above it between Hyde Park Corner and Piccadilly Circus. You know this last one, the bright illuminated square that looks like a mini Times Square and a photo opportunity spot not to miss.

 

Viajar no metro de Londres é percorrer corredores apertados e esperar ansiosamente por ouvir o famoso e mundialmente conhecido “Mind The Gap”. Mas algumas linhas têm história por si mesmas. De cor azul escura, a Piccadilly Line existe há mais de 100 anos, chegando a atingir um pique de 210 milhões de viagens em 2011/12. É uma das linhas de metro mais importantes que dá acesso a museus e pontos emblemáticos na cidade e foi baptizada a partir da Piccadilly Street.

_AR_9094.jpg

St. Pauls Cathedral

Another postcard from London, this time the Anglican cathedral of St Paul, the seat of the Bishop of London and the mother church of the Diocese of London. Designed by Britain’s most famous architect, Sir Christopher Wren, it was built between 1675 and 1710, the first religious construction after Henry VIII removed the Church of England from the jurisdiction of the Pope.


Catedral de São Paulo, sede do Bispo de Londres. Foi desenhada pelo arquitecto inglês mais famoso, Sir Christopher Wren, entre 1675 e 1710. Edifício histórico, marca o início de uma nova fé inglesa, quando o Rei Henrique VIII se afasta do controlo do Papa.

_AR_9213.jpg

Anos 20 no museu Victoria & Albert

Knightsbridge é a morada de um dos maiores museus do mundo, o Victoria & Albert. O motivo da visita foi a exposição retrospectiva dedicada a Cristobal Balenciaga, mas como não trazer comigo tantos momentos de história que aguçam a curiosidade? Na imagem, viajamos até à moda desportiva dos anos 20, na ala do museu dedicada à Moda.

_AR_9339.jpg

Cais Palafítico do Porto da Carrasqueira

Muitas vezes, estamos tão focados na rotina que nos esquecemos de parar para aproveitar a vida. Assistir, por exemplo, a um pôr do sol com o ténue som do ondular do rio em pano de fundo.

_AR_3957.jpg

 

Cais

Ténue é o cais

no Inverno frio.

Ténue é o voo

do pássaro cinzento.

Ténue é o sono

que adormece o navio.

No vago cais

do balouço da bruma

ténue é a estrela

que um peixe morde.

Ténue é o porto

nos olhos do casario.

Mas o que em fora nos dilui

faz-nos exactos por dentro.

 

Fernando Namora

Vida nas ruas de Barcelona

Nas muitas viagens que fiz a Barcelona, sempre vi muitas pessoas nas ruas. As praças são ocupadas pela prática de desportos e jogos tradicionais, ou simplesmente pelo prazer de viver a vida. Gosto, porque hoje em dia é mais comum o refúgio em casa e o contacto humano faz-se através de redes virtuais.

Barcelona é uma grande cidade que se orgulha das suas tradições sociais. E algumas vilas e cidades portuguesas podiam ser mais assim. Prédios não têm de ser só mais um prédio. Prédios estão cheios de cores, cheiros e vida que deviam fugir pela porta e acenar às janelas.